Buscar
  • Carlos Sperandio

Chega de Mestres dos Magos!

Uma das grandes lições deste 2020 é o vislumbramento da dificuldade que a sociedade tem quando discute os limites da autonomia plena do indivíduo frente à necessidade da promoção de segurança coletiva, escancarada pela pandemia de covid-19.


A geriatria, especialidade médica que debate no microcosmo familiar a importância da manutenção da autonomia do idoso até o limite da sua incapacidade cognitiva, permite a extrapolação de alguns pontos interessantes para tal debate.


Sabe-se, por exemplo, que os familiares devem assumir o poder decisório sobre a pessoa mais velha somente quando não há funcionalidade mental comprovada.


Este preceito promove debate fervoroso, seja por disputa de poder, seja por interesse financeiro.


O bom geriatra, nestes casos, coloca-se sempre na defesa dos interesses do seu paciente idoso, que muitas vezes fragilizado e acuado não consegue ter voz para expressar sua vontade entre os seus de mesmo sangue.


Por outro lado, vêem-se pacientes que não entendem os riscos de sua condição disfuncional, necessitando de controle externo para sua própria segurança e de terceiros, como no caso de condução de veículos e gerenciamento financeiro de pessoas debilitadas para estas ações.


Não é à toa que quem rege esses conceitos na Medicina é a disciplina da Bioética; a ela cabe determinar quais os caminhos sensatos, equilibrados e mais claros a serem percorridos nas decisões.


A pandemia extrapolou esta problemática ao macrocosmo.


Nos últimos meses, discutiu-se como nunca o que cada pessoa deveria fazer, pois imperava o interesse coletivo.


A exigência por lei do uso de máscaras há alguns meses e, agora mais recentemente, a vacinação obrigatória exemplificam como a segurança coletiva deve se impor aos interesses do indivíduo, quando este não demonstra capacidade de julgamento.


Na sociedade brasileira, carente de ética em quase todos os setores, não é surpresa a incompreensão da importância desta cooperação mútua.


Os cidadãos precisam aprender a fazer sua parte, mesmo com a dificuldade óbvia de não se ter alguém os ensinando; a carência de liderança intelectual, crônica, torna o chiar a esmo algo da significância de uma chupeta caída.


Questionar quem comanda pela falta de exemplo e ética não diminui o problema; propagar conhecimento e informação correta e segura sim.

Será preciso, além da vacinação e da manutenção do isolamento respiratório correto, muito bom senso, equilíbrio, humildade e - principalmente - perseverança para os formadores de opinião conseguirem guiar o país para fora da pandemia.


Você tem feito sua parte?



160 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fale conosco + 55 41 99979 2120

Nossas mídias

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 by Dr Carlos Sperandio. Proudly created with Wix.com